Despachante: 4 informações geradas pelo software de gestão para conquistar novos clientes

Controle e eficiência são palavras-chave na gestão de qualquer tipo de negócio. Quem ainda não adotou rotinas e ferramentas, como é o caso dos softwares de gestão, corre sério risco de ficar para trás, especialmente na disputa por novos clientes. Isso vale também para os despachantes. Sabe por quê?

Porque o uso de software de gestão, que costuma envolver também questões fiscais e tributárias, reserva também um tesouro dos mais preciosos na condução de um negócio: informações estratégias que reunidas e analisadas, ajuda a definir ações estratégicas essenciais para a conquista de novos clientes. Essas informações servem tanto para a revisão do plano de negócio quanto para o plano de marketing do despachante

Por exemplo, listamos a seguir 5 informações geradas pelo uso de software de gestão e como elas podem ser usadas para aumentar a clientela e gerar novas receitas. Como o despachante pode conquistar mais clientes com informações estratégicas

Tipo de cliente

Uma das informações importantes e que merecem um acompanhando frequente é quanto ao tipo de cliente atendido pelo despachante. Pode-se ampliar as informações quanto ao perfil, mas só de verificar quantos clientes são Pessoa Jurídica e quantos são Pessoa Física, o despachante já tem o que analisar. 

O que fazer

As informações sobre o tipo de cliente podem ajudar o despachante a definir seu foco de ação e ter maior clareza e assertividade para reforçar o atendimento ao seu público-alvo.

Essa informação permite, por exemplo, verificar o sucesso de parcerias com outras empresas que necessitam dos serviços de despachantes. Caso dos Centros de Formação de Condutores (ou autoescolas). Pode-se medir se o retorno está sendo positivo ou se é preciso buscar novas parcerias

No caso dos clientes Pessoa Física, dá para considerar pontos como importância de indicação, localização da empresa e até resultado de campanhas de marketing e divulgação que por ventura tenho sido realizadas.

De onde vem o cliente

Além de saber quantos PJ e PF são atendidos, a procedência dos clientes também é um dado importante para o despachante analisar. Isso ajuda a montar um mapa de oportunidades que pode gerar ações que resultem na conquista de novos clientes

O que fazer

Saber de onde vem os clientes, pode ser um indicativo para o despachante estudar a possibilidade de abrir uma nova unidade, levando em conta a localização mais adequada para atrair mais clientes. 

Por exemplo, seguir no centro da cidade, mas abrir um escritório num bairro de apelo empresarial. O mesmo vale para a localização em pontos estratégicos como os próximos aos prédios onde ficam as autoridades de trânsito

Lembre-se que as pessoas buscam cada vez mais agilidade e comunidade. Por isso, estar mais próximo de pontos de grande movimentação pode ajudar inclusive na oferta de serviços especiais como ir até o cliente em vez de ele ter de se deslocar até o despachante.

Produtos e Serviços em alta

A informação dos produtos e serviços que o despachante mais comercializa pode até estar na ponta da língua. Mas quando colocada em um gráfico comparativo e considerando um determinado período (3 meses, 6 meses ou 1 ano), se tem um panorama e tanto sobre o desempenho do que é oferecido. 

A análise dessa informação pode eliminar dúvidas e até desmitificar o que antes era certeza quanto ao carro-chefe do negócio, por exemplo. Isso pode ser um indicador de que o despachante pode estar focando esforços em um serviço que não estão em alta enquanto outro serviço e produto acaba sendo o destaque quase “invisível”, uma vez que não merece a mesma atenção em termos de divulgação. 

O que fazer

Além de revelar “verdades”, o gráfico dos mais comercializados pode indicar, por exemplo, que o despachante consegue se beneficiar de sazonalidades. Ou seja, pode haver picos de comercialização de serviços em determinados períodos do ano. 

No fim do ano (período do Natal) ou no começo, é comum que as pessoas tirem do papel suas resoluções como o sonho do carro próprio ou o da primeira CNH. Se isso estiver registrado no software de gestão, o despachante pode até pensar em explorar esse desempenho como peça de marketing

Ticket médio mensal

Obviamente, não pode faltar a informação sobre quanto cada cliente gasta em produtos e serviços no despachante, o chamado “ticket médio mensal”. Você sabe? Com o software de gestão, a informação está mais fácil de ser acessada.  

Mais do que um dado contábil, com forte influência no fluxo de caixa da empresa, o ticket médio é um dado estratégico. É o indicador que pode balizar as ações do despachante para aumentar seu faturamento. É preciso ser realista e estar conectado com o desempenho do mercado, mas isso não significa ficar satisfeito com o resultado mensal dos clientes, certo?

O que fazer

No caso do ticket médio, o despachante pode tirar proveito de duas formas. Primeiro, para atrair novos clientes. Sabendo quanto é gasto mensalmente ele pode ter uma ideia do perfil financeiro que deve buscar. 

E segundo, é que tendo o indicador do ticket médio, pode-se pensar numa estratégia de vender mais para quem já é cliente. Ou seja, como costuma ser pregado, é mais barato fidelizar do que conquistar um novo cliente. 

E isso pode levar ao aumento do ticket médio oferecendo novos produtos e serviços para quem já é cliente. Basta analisar o perfil do cliente e os serviços oferecidos para estabelecer a meta que deseja alcançar no ticket médio.

Em tempo

Quando dados sobre a movimentação do negócio são reunidos não se deve apenas levar em conta os dados positivos. Os dados “negativos” também são importantes e devem considerados. 

Por exemplo: você pode ficar satisfeito de conferir que os clientes do tipo Pessoa Jurídica são maioria e geram mais faturamento. Por isso, os clientes Pessoa Física deve ser ignorados? Pelo contrário. O dado deve ser motivador para que sejam desenvolvidas ações que possam reverter o quadro e quem sabe até chegar a ponto de equilíbrio entre os dois tipos de clientes. 

Deve-se pensar nas oportunidades que podem ser exploradas e assim dar ao despachante até uma comodidade em não ser dependente apenas de um tipo de cliente. Nunca se sabe o dia de amanhã, já diz o ditado. A mesma lógica serve para os demais pontos propostos acima.